Resenha: “Os sonhos e a morte”, de Marie-Louise Von Franz

O livro de Marie-Louise Von Franz sobre a morte [1] conjuga duas áreas que não costumam andar juntas, ao menos fora do mundo junguiano: a pesquisa científica e as indagações sobre os sonhos e a morte.

Olhado desde dentro do panorama junguiano, no entanto, o projeto faz sentido. Para Jung, o sonho expressa a voz da natureza no sujeito, por assim dizer. Ele não seria, como em Freud, a expressão disfarçada de um desejo, mas a maneira como a natureza, os instintos, se expressam em nós; “objetivamente”, poderíamos dizer.

Von Franz alude a essas diferenças, argumentando que muitos sonhos de pessoas próximas à morte são brutais, especialmente quando elas se recusam a acreditar no fim.

***

Os sonhos de pessoas próximas à morte mostrariam, assim, o que a natureza “pensa” sobre esse processo, e NÃO o que o sujeito deseja.

É um bom ponto, embora fiquemos, sempre, em dúvida no tocante à interpretação desses sonhos. Não há garantias, afinal, de que o sentido deles aponte para um lado ou para outro.

Superada essa questão, o livro prossegue, fazendo “ampliações”, aproximações, entre o conteúdo dos sonhos coletados e os mitos e tradições antigas que tratam do tema da morte. Marie-Louise é, como em geral são os junguianos, uma boa intérprete de sonhos, e é sempre interessante vê-la em ação.

***

Sempre seguindo a autora, os sonhos e os mitos relacionados à morte parecem sugerir que essa última é entendida “pela natureza” como um processo de transformação, entre outros – e não como “o” fim.

Ou seja, o inconsciente não diferenciaria a morte das diversas transformações que fazem parte da vida. Por exemplo, seria comum sonhar com a morte quando passamos da adolescência para a vida adulta, já que, nessa fase, uma forma de “ser” mais infantil também “morre”.

Os sonhos de morte real, que realmente sucedem ao sonhar, sugeririam, então, que morrer é uma transformação como qualquer outra. Isso abre espaço para pensar que existiria algo, para o indivíduo, após essa “transformação”. Ou seja, que ela não seria o fim. Não fica claro, no entanto, que tipo de consequência a autora tira dessa interpretação.

***

Tentando conjugar a proposta junguiana com aquilo que faz sentido para mim, entendo que a leitura de Von Franz até se sustenta, desde que entendamos que o sonho expressa a voz da natureza, e a natureza “não morre” quando nós, indivíduos, morremos.

Vale dizer, o fato de os sonhos não expressarem a morte como um “fim” não quer dizer que os sonhos atestem qualquer tipo de vida após a morte para o sujeito. Ao menos, não de forma absoluta e inquestionável.

Como disse, não fica claro se essa é a conclusão da autora, ou se, de maneira congruente com sua motivação científica, ela deixa a conclusão em aberto [3].

***

Sobre a utilidade desse tipo de pesquisa, chamou-me a atenção uma frase de Jung, que a própria autora reproduz. É um convite que parece fazer sentido, apesar de situar-se na direção contrária daquilo que nossa cultura sustenta.

Von Franz argumenta que parece ser “de suma importância para o idoso familiarizar-se com a possibilidade da morte”. E na sequência, cita Jung:

” Uma questão categórica lhe é colocada [i.e., ao idoso], e ele é obrigado a respondê-la. Para bem poder fazê-lo, ele precisa de um mito da morte […] Se acreditar [nesse mito], não estará nem mais certo, nem mais errado do que aquele que não crê. Mas ao passo que o desesperado caminha rumo ao nada, aquele que deposita sua fé [no mito] segue o trilho da vida e vive por inteiro até morrer. Ambos, é claro, continuam na incerteza, mas um vive contra seus instintos, e o outro, não

***

A ideia de viver de forma integrada aos nossos instintos é o que faz sentido. E se os sonhos são “a voz da natureza” em nós, eles bem poderiam fazer essa ponte entre nossa consciência e nossa natureza. Esse é, justamente, um dos convites da psicologia de Jung, se o compreendi bem.

****************

Notas:

[1] Marie-Louise Von Franz: “Os sonhos e a morte”. Ed Cultrix, 2ª edição, 2021. Link do livro na Amazon: https://amzn.to/3BdLygU

[2] idem, pg 16

[3] Conforme li depois, numa entrevista, a autora não se sente segura para afirmar que um sonho se refere à morte como tal, ou à morte enquanto símbolo de transformação. Nos diversos sonhos que interpretou, ela nunca “predisse” aos pacientes que aquele sonho indicava morte física. Ver https://www.youtube.com/watch?v=2MZ0G4PEe2g&t=5711s, ou também o livro que se originou dessa entrevista, publicado no Brasil como “O caminho dos sonhos”

2 Respostas para “Resenha: “Os sonhos e a morte”, de Marie-Louise Von Franz

  1. Muito interessante. Também interessante de pensar como é uma narrativa (mitológica) que desanuvia, endireita, o par ser-instintos. precisa uma fabricação de sentidos “mágica”, costurada parcialmente no coletivo, para dar lugar tranquilo à morte-passagem. E, realmente, a natureza sobrevive.

    Curtir

    • Realmente, é interessante. Por um lado, por ser “contracultural” falar a verdade, hoje em dia – parece que ninguém mais morre… Por outro lado, por implicar numa defesa das “potências do falso”, como dizia Deleuze (e Nietzsche!).
      Ou seja, não sabemos o que acontece depois da morte, mas, até cruzarmos essa linha, faz diferença viver apoiado numa crença, ou viver sem esse apoio. Acontece que, por conta de nossa cultura “anti-humana”, mesmo aquilo que nos seria natural parece sem lugar…
      (Que coleção de posições complicadas, essa minha resposta, kkkk)

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s