Viver a escuridão

“Só aquele cuja lira luminosa
ecoou nas sombras
poderá um dia restaurar
seu infinito louvor.

Só aquele que comeu papoulas
com os mortos
nunca voltará a perder
aquela suave harmonia.

Mesmo que a imagem
nas águas se enevoe: 
Conhece e aquieta-te,

No Mundo Duplo
todas as vozes 
ganham eterna suavidade.”

(Rainer Maria Rilke, “Os sonetos a Orfeu” [1])

***

Vivemos no tempo da luz. Tudo é tão claro, aqui! Em plena luz do dia, banham-se as coisas, sem sombras. Eterno e morno meio-dia da cultura, eterna luz.

Onde estão nossas sombras? Onde, dessa luz infinda, o oposto se irradia? Onde cresce a escuridão que acompanha tudo o que se levanta?

Não temos mesmo a necessidade de buscar sombras… como um passo à frente, mais veraz… como contraponto à essa época de ingênua e absoluta luz?

***

Das trevas, nasce o anseio de luz

da luz, a compreensão da necessidade das trevas

***

“(…) compreendi que, desde os primórdios, um desejo de luz e uma irreprimível necessidade de sair das trevas primitivas habitam a alma. Quando a noite chega, tudo adquire um toque de profunda melancolia  […]. É esse o sentimento oculto que se pode detectar nos olhos dos primitivos, como também dos animais. […] É por isso que o nascer do sol adquire para os nativos um significado tão poderoso. O MOMENTO em que a luz surge é Deus […]. Dizer que o SOL é Deus equivale a confundir […], já é uma racionalização. Na verdade, uma escuridão distinta da noite paira sobre a região. É a noite psíquica primordial, a mesma hoje como há milhões de anos. A nostalgia de luz é a nostalgia de consciência”

(C.G JUNG. “Memórias, sonhos e reflexões”, pgs 307/8. 26ª impressão. Ed Nova Fronteira, 2006 – https://amzn.to/3cJKJTn)

***

Nós, porém, estamos cansados de consciência.

Sofremos da nostalgia … do inconsciente!

***************

Notas:

[1] Essa tradução é a que consta no livro “Ao encontro da sombra”, coletânia de artigos junguianos organizados por Connie Zweig, pg 80. A tradução brasileira de Karlos Rischbieter é um pouco diferente:

“Só quem ousou tocar a lira
mesmo na escuridão
sente o quanto inspira
infinda louvação.

Só quem, com os mortos, comeu
de sua papoula marrom
nunca mais perdeu
o mais leve tom.

E quando, no espelho do lago,
a imagem se turva:
fixa a figura.

Somente no reino vago
as vozes são curvas
eternas e puras.”

(R.M. RILKE, “Os sonetos a Orfeu”, pg 31. Ed. Record, 2002)

***************

Links dos livros citados na AMAZON:

“Símbolos da Transformação”, de Jung: https://amzn.to/3RiRw5y

“Sonetos a Orfeu”, de Rilke: https://amzn.to/3KNeZcQ

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s