O anti-capital

Muitas coisas tem valor para nós, mas não podem ser vendidas. Seja porque sua produção é escassa – como o mel das abelhas Jataí – seja porque o retorno dado não compensa, etc.

O fato é que nem tudo se encaixa na categoria de “vendável”.

Chamo essas coisas de o “anti-capital”.

***

Alguém que ocupe uma pequena área de terra, pode produzir o suficiente para si, mas não o suficiente para a venda. Isso faz essa terra “improdutiva”? Só do ponto de vista do capital.

A terra é um “meio de produção”, no sentido marxista, que permite àquelas que a ocupam uma grande medida de liberdade – sem exclusão daquilo que o capital nos trouxe. Ela apenas nos dá uma medida concreta de escolha: podemos escolher aquilo que NÃO queremos vender.

Assim, o pão caseiro que faço e que gosto, não serve para a venda – daria muito trabalho e pouco retorno. Mas, feito para mim e para a família, ele serve.

Da mesma forma, o mel que colho, uma vez por ano, não é suficiente para virar “negócio”. Mas é suficiente para minhas necessidades.

***

Cada produto “não-vendável” é, ao mesmo tempo, uma necessidade suprida com liberdade. Pois a venda, se nos dá retorno, também nos prende num máquina de produção.

Como calcular a liberdade que precisamos abdicar para sustentar um negócios desses? Para nos encaixar na categoria do “vendável”?

Esse conselho eu daria, pra quem busca liberdade: ache um pedaço de terra, e se instale. Aprenda a produzir o “anti-capital”. Tenha capital também, se possível, mas não apenas isso.

E veja sua liberdade crescer –

Publicidade

3 Respostas para “O anti-capital

  1. não há muitas liberdades para quem quer ou precisa trabalhar para vender.

    A nossa remuneração não serve para nada a não ser para barganhar o valor de outras pessoas, ou melhor, o valor de seu tempo., Que é tranformado em serviço prestado a nós.

    Claro que não pensamos assim enquanto estamos imersos no problema de ganhar dinheiro. O dinheiro significa poder e liberdade, sobrevivência neste mundo. Manterse no mundo social requer fonte permanente de dinheiro. Permanente é exagero.

    Ocorre que de tantas coisas inestimáveis, o nosso tempo é a mais delas. E mesmo assim é a primeira coisa que o mercado, isto é, as pessoas que querem comprar e vender, precificam.

    querer dinheiro em geral implica vender a si mesmo. mesmo que seja em prol da própria liberdade. Como quem compra sua alforria.

    Porque é querer coisas que os outros valorizam.

    Curtido por 1 pessoa

    • Existem alternativas, mas, como você bem percebe, elas estão atreladas à “modos de vida” que não são bem vistos, nem propagandeados por aí. Paradoxalmente, “ser mais livre” não parece ser algo que as pessoas valorizam, a ponto de estarem dispostas a pagar os preços implicados nisso (como viver uma vida mais simples, menos atrelada à venda do próprio tempo, etc).

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s